Lasanha: novas e veteranas receitas

De 20 de maio a 05 de junho, o Polo Praça XV apresenta a terceira edição do Festival Comendo como um Rei. O prato principal do banquete é a substanciosa lasanha, que ganhou 13 versões preparadas pelos restaurantes participantes para celebrar a temporada Outono/Inverno.
Com o tema “novos sabores para uma antiga paixão”, as receitas incrementam o tradicional prato italiano com ingredientes como palmito pupunha, quibebe de abóbora com carne seca, costela desfiada, brie, rúcula e salmão defumado.

Brasserie Brasil: espinafre com ricota
Entre as opções do festival está a Lasanha mediterrânea, prato frio com camadas de massa intercaladas com frutos do mar, regadas ao azeite. A sugestão é do recém-inaugurado Bistrô Ouvidor. Outra receita é a Lasanha de massa fresca com camarão frito no azeite e abobrinha grelhada, assinada pelo chef Frederic Monnier, da Brasserie Rosário.
A popular bolonhesa também faz parte da mesa do rei, servida pelo Via 15 Botequim. Quem preferir uma versão mais leve, a sugestão é a do restaurante Mercado 32. No lugar da pasta, berinjela intercalada com abobrinha e mussarela de búfala. A versão brasileira do festival é do Bistrô The Line (foto do topo) com base de palmito pupunha e recheio de camarões.
O banquete desta edição explorou novos sabores, texturas e temperaturas, sem perder a característica do prato, originalmente, preparado em camadas numa travessa. A palavra Lasanha vem do grego lasanon, termo que foi emprestado pelos romanos como lasanum para significar pote de cozinhar. Antes de ser absorvido pela culinária italiana, há evidências de que a receita tenha figurado na mesa da corte inglesa do século XIV.

Participantes:

Bon Profit – Rua do Ouvidor 60 - Lojas B e C / Tel.: (21) 2509-1777 | Lasanha Tricolore (R$ 23,00)
The Line – Travessa do Comércio, 20 / Tel.: (21) 2224-64 | Lasanha de salmão defumado com queijo brie e rúcula (R$ 32,90 kg)
Bistrô The Line – Rua Visconde de Itaboraí, 78, Casa França Brasil / (21) 2233-3571 | Lasanha de palmito pupunha com camarão (R$ 21,20)
Bistrô Ouvidor – Rua do Ouvidor, 52 / Tel.: (21) 2509-5883| Lasanha Mediterrânea (R$ 25,20)
Al Khayam - Rua do Ouvidor, 16. Tel.: (21) 2252-6261 | Lasanha de Berinjela + taça de vinho e sobremesa (R$ 29,50)
Casarão – Rua do Mercado, 37/ Tel.: (21) 2509-3970| Lasanha verde com quibebe de abóbora e carne seca (R$ 23)
Brasserie Rosário – Rua do Rosário, 34 / Tel.: (21) 2518-3033 | Lasanha de massa fresca com camarão frito no azeite e abobrinha grelhada (R$ 32)
Brasserie Brasil – Rua Primeiro de Março, 66 – Térreo – Mezanino | Tel.: (21) 2253-5166 | Lasanha de espinafre com ricota e molho bechamel (R$ 25)
Via 15 – Travessa do Comércio, 15 / Tel.: (21) 2222-4016 | Lasanha à bolonhesa (R$ 12,90)
Mercado 32 – Rua do Mercado, 32 / Tel.: (21) 2221-2327 | Lasanha de berinjela, abobrinha e mussarela de búfala (R$ 24)
Antigamente – Rua do Ouvidor, 43 / Tel: (21) 2507-5040 | Lasanha de costela (23,90)
BeN Fatto – Rua do Rosário, 36 / Tel: (21) 2223-3039 | Mix de Lasanha com bacalhau, salmão e espinafre (R$ 32)
Kamikaze – Rua do Mercado, 23 / Tel: (21) 2242-3338 |Lasanha de queijo com presunto( R$13,50 kg de seg a sexta de 11h às 15h30, e R$ 15,90 kg aos sábados )

Assessoria de Imprensa e Fotos: Malagueta Comunicação

Comendo como um Rei na imprensa


Jornal O Globo - Caderno Rio Show - 28/05/2010


O GLOBO - 21/05/2010

O DIA - 21/05/2010
JORNAL DO BRASIL - 21/05/2010

EXTRA - 21/05/2010

Bistrô The Line: versão brasileira com palmito pupunha e camarão




5 comentários:

Bon Gourmand disse...

Parabéns pela Terceira Edição do Comendo como um Rei. O Centro da cidade precisa de mais eventos gastronômicos como este!!!

André Paranhos disse...

Puxa, lamento que um prato mais típico da Corte não tenha sido escolhido... quem sabe na próxima ? A Feijoada foi introduzida no Brasil pelos portugueses. O hábito de misturar carnes de porco, vitela ou carneiro com linguiças, paio, toucinho, lombo, legumes e miúdos faz parte da história gastronômica dos povos ibéricos. Recibos de compras em açougues do Brasil Colônia apontam na lista os itens comuns à preparação da feijoada, desfazendo a lenda de que seria um prato oferecido aos escravos com sobras, que además, não trouxeram da cultura africana a tradição de misturar elementos em seus cozidos. A evolução do prato no país foi promovida pelos bandeirantes e criadores de gado, trazendo em sua bagagem a farinha, a carne seca e o feijão, que o plantavam no caminho para garantir o alimento no retorno. As receitas da feijoada apresentam hoje variações regionais como o uso do feijão mulatinho no Nordeste, sendo que a influência carioca do feijão preto referendou a mais tradicional receita que conhecemos. André Paranhos, do blog Feijoadas Cariocas
http://feijoadascariocas.blogspot.com/

PÓLO PRAÇA XV disse...

Obrigado, Bon Gourmand, pelos elogios. Esperamos sinceramente que os pratos façam jus à gentileza do comentário.

PÓLO PRAÇA XV disse...

Maravilhosa tua sugestão, André. Entretanto, o Comendo como um Rei busca inspirações em diversas cortes. A portuguesa foi a primeira, a segunda foi a França e esta tem a Itália como inspiração. Aliás, como pesquisador do tema, você tem alguma informação se foi realmente a Imperatriz Teresa Cristina quem introduziu este prato na culinária brasileira?

André Paranhos disse...

Pesquisador, eu ? Sou gourmand de feijoadas ! rsrsrrs lamento mas não sei sobre a Imperatriz, contudo segue o trecho do livro Festas e Comeres do Povo Português
da Editorial Verbo: " O feijão chegou à Europa Ocidental em 1528 e os historiadores atribuem o feito ao Papa Clemente VII que, tendo recebido das Índias Ocidentais umas estranhas sementes em forma de rim, ordenou a um frade, Piero Valeriano, que as semeasse.
Os resultados finais foram excelentes: além do mais, os frutos produzidos (baptizados com o nome de fagioli, por fazerem lembrar as favas) eram agradáveis ao paladar.
Quando Catarina de Médicis viajou para Marselha, para casar com o Duque de Orleães, futuro Henrique II, o frade Valeriano explicou-lhe que os homens também se conquistam pelo estômago e meteu-lhe na bagagem um saco com feijões.
Parece que o frade tinha toda a razão."